Horário: De terça a domingo, das 10h00 às 18h00

Rua Alfredo Guimarães

4800-407 Guimarães

Regresso do Egito

 

 

Sagrada Família

Autor: Desconhecido

Data: Século XVII

Material: Madeira estofada e policromada

Dimensões (cm): alt. 253 x larg. 135

Proveniência: Guimarães, igreja do Convento de Santa Clara

N.º de Inventário: MAS E 9

A Sagrada Família caminha de mãos dadas e por cima dele vê-se uma pomba. As suas vestes são decoradas com motivos florais.

Esta representação provavelmente baseia-se no episódio bíblico do desaparecimento do Menino Jesus durante três dias, relatado por São Lucas (Lucas, 2, 41 – 51): “Todos os anos, na festa da Páscoa, seus pais iam a Jerusalém. Quando ele completou doze anos, subiram a Jerusalém segundo o costume da festa. Acabados os dias de festa, quando voltaram, o Menino Jesus ficou em Jerusalém, sem que os pais o percebessem. Pensando que estivesse na caravana, andaram o caminho de um dia e o procuraram entre os parentes e conhecidos. Não o achando, voltaram a Jerusalém à procura dele. Três dias depois o encontraram no Templo sentado no meio dos doutores, ouvindo e fazendo perguntas. Todos que o escutavam maravilhavam-se de sua inteligência e de suas respostas.

Quando o viram, ficaram admirados e sua mãe lhe disse: ‘Filho, por que agiste assim connosco? Olha, teu pai e eu, aflitos, te procurávamos’. Ele respondeu-lhes: ‘Por que me procuráveis? Não sabíeis que eu devia estar na casa do meu Pai?’ Eles não entenderam o que lhes dizia. Depois desceu com eles e foi para Nazaré, e lhes era submisso. Sua mãe conservava a lembrança de tudo isso no coração. Jesus crescia em sabedoria, idade e graça diante de Deus e das pessoas.”

Esta cena, que encerra o ciclo da Infância e que se pode considerar como a primeira Pregação de Jesus, serve de transição entre a sua vida escondida e a sua vida pública.

Este painel e o do Batismo de Cristo (MAS E 10) outrora decoravam as paredes do arco cruzeiro exterior à capela-mor da igreja do Convento de Santa Clara.