Horário: De terça a domingo, das 10h00 às 18h00

Rua Alfredo Guimarães

4800-407 Guimarães

Imagem a preto e branco da base do tronco da oliveira do claustro.

A oliveira do claustro da Colegiada da Oliveira/Museu de Alberto Sampaio, em Guimarães, foi classificada como árvore de Interesse Público. O pedido foi apresentado pela Câmara Municipal de Guimarães, que invocou as “características específicas do exemplar”, e o Instituto da Conservação da Natureza e Florestas (ICNF) confirmou que a árvore, da espécie Olea europaea L., reúne os critérios gerais de classificação e parâmetros de apreciação.

Para o ICNF, a oliveira apresenta um “desenvolvimento natural e elegante e o tronco revestido por formações escultóricas de interessante efeito visual”, resultantes de rebentos que partindo da sua base o acompanham até se integrarem nele. Reconhecendo o “particular significado paisagístico em causa”, aquele organismo sublinha a “configuração graciosa e morfologia invulgar” da árvore e acrescenta que o facto de se enquadrar num claustro do século XIII, junto a dois túmulos encaixados na parede das escadas de acesso à Igreja, lhe confere “um elevado valor cénico”.

A particular importância e atributos daquele exemplar são, por isso, para o ICNF, reveladores da necessidade de “cuidadosa conservação” e justificam o relevante interesse público da sua classificação. O Instituto ressalva, ainda, que a oliveira apresenta bom estado vegetativo e sanitário e não aparenta sinais de pouca resistência estrutural ou risco sério para a segurança de pessoas e de bens.

A decisão de classificação estabelece uma zona geral de proteção definida, excecionalmente, por um raio de 10 metros a contar da base da oliveira. Ficam também proibidas quaisquer intervenções que possam destruir ou danificar o exemplar classificado, carecendo de autorização prévia do ICNF todas as operações de beneficiação.